O que é amortização? Saiba como funciona e veja se vale a pena

Quer saber o que é amortização? Veja como o processo funciona nos empréstimos e financiamentos, e saiba como fazer os cálculos.
3 minutos de leitura
3 minutos de leitura
Homem e mulher sentados em sofá vendo documentos com calculadora e computador em mesa à frente

Você sabe o que é amortização e como esse processo funciona nos empréstimos e financiamentos?

Essa é uma palavra difícil para um conceito simples: reduzir uma dívida grande com o pagamento adiantado de parcelas.

Na verdade, existem várias formas de amortizar um saldo devedor ou um conjunto de parcelas.

Neste artigo, você vai aprender o que é amortização, como calcular e quando vale a pena usar esse método no seu financiamento.

Vamos lá?

O que é amortização?

A amortização é a redução do valor de uma dívida por meio de pagamentos fixos e/ou variáveis.

Quando você pega um empréstimo, por exemplo, o pagamento das parcelas acordadas em contrato é uma forma de amortizar o débito.

Esse é o conceito básico, mas, no mundo dos empréstimos e financiamentos, existem várias modalidades de amortização.

Para começar, você não precisa amortizar sua dívida apenas com o pagamento das prestações determinadas, uma vez que é possível abater um valor maior do saldo devedor com a antecipação de parcelas.

Uma situação clássica que ilustra esse processo é quando uma pessoa é demitida sem justa causa, recebe seu FGTS e usa o dinheiro para amortizar a dívida de um financiamento.

Esse é um exemplo típico da realidade brasileira que ajuda a entender o que é amortização e como ela pode ser usada para diminuir débitos e acelerar o pagamento das suas pendências.

Leia também: Dívida de longo prazo: 6 pontos de atenção antes de assumir

Como calcular a amortização de um financiamento?

O cálculo básico da amortização de financiamentos é feito pela seguinte fórmula:

Amortização = Valor da parcela – Juros

Ou seja, a parcela paga mensalmente é composta pelo valor do capital inicial tomado mais o valor dos juros cobrados pela instituição financeira.

Para fazer o cálculo corretamente, é preciso entender qual sistema de amortização foi utilizado.

Estes são os principais tipos aplicados no mercado:

  • Sistema SAC: o Sistema de Amortização Constante é o mais comum em financiamentos. Nesse sistema, o valor da amortização mensal é fixo, mas os juros começam mais altos e vão diminuindo ao longo do tempo, reduzindo as prestações;
  • Sistema Price: também conhecido como sistema de amortização francês, esse método garante parcelas fixas do início ao fim do financiamento. Logo, os juros são distribuídos de forma proporcional e a amortização é mais lenta.

Tomando como exemplo uma amortização pelo SAC, vamos supor que a primeira parcela seja de R$ 1.500, dos quais R$ 500 correspondem aos juros (valor fixo de R$ 1.000 de amortização).

No segundo mês, a parcela pode diminuir para R$ 1.480, dos quais R$ 480 correspondem aos juros (continua sendo R$ 1.000 de amortização). No terceiro mês, cai para R$ 1.450, dos quais R$ 450 são juros, e assim por diante.

Esse é um exemplo básico de como calcular a amortização em um financiamento do tipo SAC, no qual as prestações vão diminuindo.

Como amortizar um financiamento?

Existem duas formas de amortizar um financiamento para reduzir a dívida: diminuindo o tempo de pagamento ou o valor das prestações.

No primeiro caso, você pode antecipar parcelas e pagar várias de uma só vez, reduzindo a dívida e, consequentemente, os juros cobrados (dependendo do tipo de juros).

No segundo caso, você continua pagando as parcelas com juros mês a mês e usa o dinheiro para reduzir o valor dessas prestações, “distribuindo o crédito”, por assim dizer.

Como usar o FGTS para amortizar financiamento?

Os trabalhadores com carteira assinada podem usar o saldo do seu FGTS para amortizar ou quitar totalmente um financiamento imobiliário (não é válido para outros tipos de financiamentos, como o de veículos).

Para isso, é preciso atender às seguintes condições:

  • Ter no mínimo três anos de trabalho sob o regime do FGTS;
  • Não possuir outro financiamento ativo no Sistema Financeiro de Habitação (SFH);
  • Não ser proprietário, possuidor ou cessionário de imóvel residencial urbano ou de parte residencial de imóvel misto;
  • O valor do imóvel não pode ultrapassar R$ 1,5 milhão e deve ser residencial urbano.

Para solicitar o resgate do FGTS para amortização, utilize o Aplicativo Habitação Caixa

O que é melhor: amortizar o saldo devedor ou as parcelas?

Se você tem um valor disponível para amortizar seu financiamento, vale mais a pena pagar de uma vez só, antecipando parcelas, ou seja, reduzir o saldo devedor.

Dessa forma, você diminui consideravelmente sua dívida, reduz o tempo de pagamento e ainda economiza com descontos em juros e taxas.

Se as parcelas estão pesadas e sua condição financeira não está muito boa, é melhor optar pela amortização das parcelas.

Dessa maneira, você não tem os descontos em juros, mas consegue reduzir o valor que precisa ser desembolsado todos os meses e aliviar o orçamento.

Entendeu o que é amortização e por que é importante conhecer esse conceito? Veja também como solicitar a redução da taxa de juros do financiamento imobiliário.

O propósito da Neon é criar caminhos por uma vida financeira melhor para todos os brasileiros. A educação financeira é um dos principais pilares para fazer isso acontecer, por isso estamos aqui para te acompanhar em sua jornada com as finanças.

Este artigo foi útil?

Dê sua nota e comente abaixo

Média da classificação 4 / 5. Número de votos: 33

Seja o primeiro a avaliar este post.

Tags:
Picture of Time Neon
Time Neon
Um time de pessoas dedicadas a diminuir desigualdades, mostrando caminhos financeiros mais simples e justos, porque todos merecem um futuro brilhante.

Você também pode se interessar

NEON LOGO